Há de ser tudo da lei

Toca Raul

A Virada cultural reservou para o fim-de-semana paulistano mais de 800 atrações polvilhados em muitos pontos da cidade, mas, de forma majoritária, distribuídas nas ruas do centro antigo – que só parece ficar bonito com as intervenções artísticas do evento.

Bonito olhando para cima, as luzes, projeções, dançarinas voando, bandas tocando, pois se ousarmos dar uma olhadela pra baixo: sujeira, mijo, vômito e toda sorte de porcaria. O evento contou com um adendo de emoção nesta edição: o governo de São Paulo, inteligentíssimo, interditou a estação República, coração do palco rock e itinerário necessário para acessar ao menos 10 palcos com mais facilidade. Nem preciso dizer que a solução viária que eles encontraram foi um desastre.

Mas esta não será uma sessão ‘eu também vou reclamar’, não. Vou falar de um lugar específico.

Havia, certeza, entretenimento para todos os gostos, mas talvez não seja exagero notar que o palco mais honesto e alegre era aquele que homenageava Raul Seixas.

Atrás da Estação da Luz, de frente ao Big Ben tupiniquim, haviam centenas e milhares de Raul-Seixistas distribuídos por todas as camadas sociais – ali você canta com um mendigo de um lado e uma patricinha de Beverly Hills de outro, logo a frente uns caras mal encarados de coturno sorrindo e dançando o Plunct Plact Zum feito crianças.

Ambulantes largam suas muambas e, alegres, cantam em bom tom o S.O.S. da vida; e não é incomum você se perceber abraçado com figuras estranhas cantando o que Raul foi e sempre será (se dente do tubarão ou a letra ‘a’ em nosso nome). O mais comovente é notar que todas aquelas pessoas estão ali por que realmente gostam de Raul, o show não se resumia apenas aos hinos comerciais que invadiram as propagandas da década de 90 ou as festinhas retrô. Não, aliás Sim, estava lá músicas como ‘O Homem’, ‘Peixuxa’ e milihares de outras de pouco que compõem a extensa discografia do bahiano (seus álbuns foram todos tocados na íntegra). Portanto, se estava lá, é por que gostava de Raul.

Se há de ser tudo da lei na Lei de Thelema, Raul teria gostado desta homenagem bonita que foi feita para sua obra. E foi tudo realmente da lei, rolou rock das aranhas no chão, rolou tia da bolívia, rolaram os pegas e pagues do mundo, muita felicidade e dança com o róquenrou cheio de estripulia do maluco beleza – que caminha do rock clássico para o bolero em uma faixa.

Afetado pela paixão, talvez, mas Raul continua sendo a expressão musical mais sincera, honesta e diversificada que esse país já produziu – nada chega perto do legado que este homem nos deixou; e são homenagens como o desta Virada que só deixam claro que ainda há pessoas que o entendem e que valorizam seu trabalho.

Ficamos na esperança de que não tenhamos que esperar mais 10 anos para um repeteco. São 20 anos sem Raul e, por mais que ele queira ir, nós o convencemos a resolver ficar.

Anúncios

8 Respostas para “Há de ser tudo da lei

  1. Bruno
    Fiquei encantada com seu texto. Vc expressou tudo! Foi realmente um momento mágico para quem Curte Raul de verdade e não para aqueles que dizem gostar! Realmente houve vários problemas como existem em ql show ou evento! Muitas pessoas tomam ênfase no “Reclamar” do que no resultado final!
    Nós Fãs esperamos mesmo que não demore muitos anos para uma nova homenagem!
    Realmente era o Palco mais Feliz desta Virada Cultural! Eram ambulantes, mendigos, senhoras, crianças curtindo e cantando! Em vários momentos os policiais e bombeiros que estavam em frente ao Palco sem querer começam a cantar junto … olhavam pra gente e se calavam !!! rsrs

  2. Bruno
    Parabéns por esta homenagem que vc fez à todos nós e em especial ao Raulzito que com certeza jamas será esquecido!

  3. E esta não é também uma homenagem? Desta vez, feita com palavras. Sem dúvida, ele foi um dos artistas mais sinceros, corajosos e originais que já passaram pela nossa história musical.

  4. Me senti envergonhada por não saber que já faz 20 anos que ele “morreu”.
    Gostaria de ter visto a homenagem que fizeram. Raul é eterno e único. “nada chega perto do legado que este homem nos deixou” [2].
    Minha infância não seria a mesma sem ouvir suas músicas.
    Não li todos os seus textos Bruno, mas esse com certeza foi O melhor!
    Prefiro ser…Essa metamorfose ambulante…
    Do que ter aquela velha opinião…Formada sobre tudo…

  5. Bruninho!
    Ótimo descrição de todo aquele clima gostoso. Aquela parte em que o vendedor largou tudo pra cantar também me marcou muito. De longe, o melhor palco da virada!

  6. Bruno, parabéns filho, você está cada vez melhor em brincar com as palavras, pena que eu não estava lá pra curtir junto com você esse momento maluco beleza. bjão

  7. Pingback: Raul Fora-da-Lei « Quebre o ovo·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s